quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Nicarágua: ameaças de morte a um bispo


Após assassinato de um pároco e intimidações a outros sacerdotes, o bispo de Matagalpa, Dom Rolando Álvarez, denunciou, na tarde do dia 10/10, ter recebido ameaças via telefône, por parte de um setor que não identificou, assim como outros dois sacerdotes desse país, e advertiu que não existe um ambiente de paz prévio às eleições gerais do próximo dia 6 de novembro.

Na segunda-feira, 10 de outubro, às 13h30, um dos familiares do bispo Álvarez recebeu uma ligação ao telefone fixo. Uma voz masculina lhe disse: “Esse padrezinho estúpido... Se não o calarem, nós o calaremos”. Singelo, não?!

Dom Álvarez explicou que estas ameaças se devem à missão profética que os bispos da Conferência Episcopal da Nicarágua realizam sob a luz do Evangelho. É o que sempre dissemos, ser católico é ser atacado pela esquerda, direita, centro, por cima e por baixo. Isso quando não sai de dentro pra fora.

O prelado comentou, em coletiva de imprensa, que considera estas ações como “uma ameaça à minha integridade física e, certamente, à minha vida”.

E afirmou que isso acontece “devido à missão profética que, como bispo da Conferência Episcopal, e, neste caso, como bispo de Matagalpa, estamos levando a cabo, iluminando as consciências do nosso povo com a luz do Evangelho”.

Quando falo de ataques de todo lado, falo de todo lado mesmo. Por aqui, dizem que a Igeja quer manter o povo na ignorância, aquela história toda de idade média que nos enfiam goela abaixo. Ai quando alguém quer iluminar a cabeça do povo, é ameaçado por esse motivo mesmo.

A denúncia de Dom Álvarez se une à dos sacerdotes Edwin Román Calderón e Gerardo José Rodríguez Pérez, que afirmaram ter sido vítimas de intimidações através de ligações telefônicas anônimas e mensagens de texto aos seus telefones celulares.

Pelas ameaças contra ambos os religiosos, a polícia nacional deteve, mas libertou logo depois – porque ninguém interpôs uma acusação formal – Alberto Leonel Conde, irmão do vigário da catedral de Manágua, Bismarck Conde.

Alberto Conde confessou ser o autor das ameaças e ofensas anônimas contra pelo menos quatro sacerdotes.

O presbítero Edwin Román, que conhece pessoalmente Alberto Conde, rejeitou a versão da polícia e a qualificou como uma “cortina de fumaça”.

Interesses políticos

Segundo o sacerdote, as autoridades apresentaram Conde como o autor das ameaças para “desviar” a atenção sobre a carta pastoral divulgada na sexta-feira passada pela Conferência Episcopal da Nicarágua.

No documento, os bispos exortam os nicaraguenses a votar massivamente, com liberdade e sem medo algum, em um candidato que “respeite a Constituição” e não tenha um histórico corrupto.

Nas próximas eleições presidenciais, o presidente Daniel Ortega aspira a continuar no poder, apesar da norma constitucional que proíbe a reeleição imediata, que, no entanto, foi declarada inaplicável por magistrados da Corte Suprema de Justiça, favoráveis a que Ortega se perpetue no poder.

O secretário-geral da Conferência Episcopal, René Sándigo, afirmou, na sexta-feira, que os bispos correm o risco de ser mal-interpretados, criticados, intimidados e até reprimidos “de forma aberta ou encoberta, por aqueles que se sentem questionados”.

Críticas à polícia

Por outro lado, Dom Álvarez disse que o ambiente não está favorável para que haja uma denúncia formal diante da polícia da Nicarágua, como tampouco o fizeram os sacerdotes Calderón e Román.
O bispo criticou a instituição policial pelas “contradições” nas investigações sobre o assassinato do pároco Marlon Pupiro, em 20 de agosto passado, e cujo assassino confesso, Yasker Blandón, foi condenado a 30 anos de prisão.

Da mesma forma, denunciou que existe “uma comissão que anda visitando e oferecendo todo tipo de dádivas” a líderes da Igreja Católica.

Disse que, em Matagalpa, os sacerdotes receberam “convites para participar de atos políticos e públicos”, bem como da entrega de lâminas de zinco, atividades impulsionadas pelo presidente Ortega, favorito para ganhar as próximas eleições.

Nas eleições do próximo dia 6 de novembro, cerca de 3,4 milhões de nicaraguenses estarão habilitados para eleger o presidente, o vice-presidente, 90 deputados da Assembleia Nacional e 20 do Parlamento Centro-Americano.

2 comentários:

Alexandre, pós-evangélico, católico disse...

Saudações,

Tomei a liberdade de acrescentar seu blog no www.correiocatolico.blogspot.com

Paz e bem!

Emanuel Jr. disse...

Ok, Alexandre, muito obrigado.